M.M.D.C.

Coleção e texto: Paulo Bodmer

[Personagens]                      [Propaganda]                      [Correio Militar]


      Em 15/11/1926, Washington Luis, representante da oligarquia paulista, toma possa como presidente da República,tendo Getúlio Vargas como seu ministro da fazenda. Criou fama de presidente estradeiro - Governar é abrir estradas. Deu início à construção de 2 grandes rodovias - a Rio - São Paulo e a Rio - Petrópolis. A profunda crise mundial deflagrada pelo crash da bolsa de Nova York, começada em 21/10/29, teve grave conseqüências para a economia brasileira - várias fábricas fecharam e o café, que representava mais de 50% das exportações teve suas cotações despencadas no mercado internacional. Resultado: governo em crise, fazendeiros em pânico e o povo desempregado e faminto. Foi neste clima que aconteceu a eleição presidencial de 01/03/30, aliás, primeiro dia de carnaval. Eleições fraudadas por todos os lados, saiu-se vencedor Júlio Prestes, apoiado pelo governo, com mais de l milhão de votos contra o seu adversário, Getúlio Vargas, líder da Aliança Liberal. Era a luta de duas oligarquias que queriam o poder. O assassinato de João Pessoa foi o estopim para a insurreição armada iniciada em 03/10/30 - manobra articulada entre o RG do Sul, Minas e Paraíba. Durou poucos dias. A queda de Washington Luis em 24/10/30 marcou o fim do conflito. Julio Prestes pede asilo. Em 03/11/30 começa a era Vargas. Na noite de 23/05/32 a multidão que se concentrava na praça da República em São Paulo resolveu tomar de assalto a sede da Legião Revolucionária, entidade tenentista transformada no Partido Popular Progressista, dirigido pelo general Miguel Costa. Foram recebidos a bala e dispersados. Sobre a calçada, entretanto, jaziam os corpos dos jovens Martins, Miragaia, Draúzio e Camargo. Das inicias destes nomes surgiu o M.M.D.C. - entidade que teve papel decisivo na organização da guerra civil, iniciada em 09/07/32 com populares armados ocupando prédios e policiando as ruas. Pedro de Toledo, ex- interventor, é aclamado pela massa concentrada diante do Palácio, governador de São Paulo. Sem disparar um só tiro os rebeldes controlam o estado. O rádio conclama voluntários. Aparecem 200.000 mas por falta de armamentos só 30.000 seriam aproveitados contra os 50.000 soldados do Exército Nacional. A inferioridade de material de São Paulo era muito grande e desde logo as ações de guerra se revelavam inteiramente desfavoráveis. Em 23/07/32, deprimido com o fato de usarem sua invenção para bombardear a capital paulista, suicida-se Santos Dumont. Em outubro de 1932 termina a guerra com 633 paulistas mortos e 77 lideres indo para a prisão e o exílio. Uma das mais eficientes organizações do M.M.D.C foi, sem dúvida, o serviço do Correio Militar, que ligava as frentes de batalha às mais distantes cidades de São Paulo. Aqui vocês poderão ver alguns cartões dos personagens, da propaganda e os usados pelos combatentes para a sua correspondência.


Fonte:"Nosso Século", fascículos 30 à 34, Ed. Abril 1980
Martins, J.,"Álbum de Família", Haspa/Martins 1982


[História]